O mistério de um dos mais estranhos desastres naturais do século XX

O mistério de um dos mais estranhos desastres naturais do século XX

Aqui está a história de como os cientistas descobriram os segredos do pior desastre natural da história da nação de Camarões, na África Ocidental ... e o que eles estão fazendo para tentar impedir que isso aconteça novamente.

A DESCOBERTA

Na manhã de 22 de agosto de 1986, um homem pulou em sua bicicleta e começou a andar de Wum, uma aldeia nos Camarões, em direção à aldeia de Nyos. No caminho, ele notou um antílope morto ao lado da estrada. Por que deixar isso desperdiçar? O homem amarrou o antílope em sua bicicleta e continuou. A uma curta distância, ele notou dois ratos mortos e, mais adiante, um cachorro morto e outros animais mortos. Ele se perguntou se todos eles foram mortos por um raio - quando raios atingem o solo, não é incomum que animais próximos sejam mortos pelo choque.

Logo o homem encontrou um grupo de cabanas. Ele decidiu ver se alguém sabia o que havia acontecido com os animais. Mas quando ele andou até as cabanas, ficou surpreso ao ver cadáveres espalhados por toda parte. Ele não encontrou uma única pessoa ainda viva - todos nas cabanas estavam mortos. O homem largou a bicicleta e correu todo o caminho de volta para Wum.

ALGO GRANDE

No momento em que o homem voltou para a aldeia, os primeiros sobreviventes de tudo o que atingiu Nyos e outras aldeias próximas já estavam tropeçando em Wum. Muitos contaram histórias de ouvir uma explosão ou um ruído estrondoso à distância, depois cheirando estranhos aromas e desmaiando por até 36 horas antes de acordar para descobrir que todos ao seu redor estavam mortos.

Wum está em uma parte remota de Camarões, então demorou dois dias para que uma equipe médica chegasse na área depois que autoridades locais ligaram para o governador para relatar a estranha ocorrência. Os médicos descobriram uma catástrofe muito maior do que poderiam imaginar: durante a noite, algo havia matado quase 1.800 pessoas, além de mais de 3.000 cabeças de gado e inúmeros animais selvagens, pássaros e insetos - em resumo, cada criatura viva a quilômetros de distância.

O número oficial de mortos foi registrado como 1.746 pessoas, mas isso foi apenas uma estimativa, porque os sobreviventes já haviam começado a enterrar as vítimas em valas comuns, e muitos sobreviventes aterrorizados haviam fugido de vilarejos cheios de cadáveres e estavam escondidos na floresta. O que quer que tenha matado tantas pessoas parecia ter desaparecido sem deixar vestígios tão rapidamente quanto havia chegado.

PROCURANDO CLUES

O que poderia ter causado tantas mortes em tão pouco tempo? Quando a notícia do desastre chegou ao mundo exterior, cientistas da França (Camarões é uma antiga colônia francesa), os Estados Unidos e outros países chegaram para ajudar os próprios cientistas do país a descobrir o que havia acontecido. Os restos das vítimas ofereciam poucas pistas. Não houve evidência de sangramento, trauma físico ou doença e nenhum sinal de exposição à radiação, armas químicas ou gás venenoso. E não havia evidência de sofrimento ou “agonia da morte”: as vítimas aparentemente apenas desmaiaram, caíram e morreram.

Uma das primeiras pistas importantes foi a distribuição das vítimas em toda a paisagem: as mortes ocorreram a cerca de 19 quilômetros do Lago Nyos, que algumas tribos locais chamavam de “lago ruim”. A lenda dizia que, há muito tempo, espíritos malignos saiu do lago e matou todas as pessoas que vivem em uma aldeia à beira da água.

Tanto o número de vítimas quanto a porcentagem de fatalidades aumentaram à medida que os cientistas se aproximavam do lago: nas aldeias periféricas, muitas pessoas, especialmente aquelas que permaneceram dentro de suas casas, sobreviveram, enquanto em Nyos, a menos de duas milhas de distância. era a aldeia mais próxima do lago, apenas 6 dos mais de 800 moradores sobreviveram.

Mas foi o próprio lago que forneceu a maior e mais estranha pista de todas: suas águas azuis, normalmente límpidas, haviam se tornado um vermelho profundo e escuro. Os cientistas começaram a se perguntar se havia mais na lenda do "lago ruim" do que se imaginava.

AINDA VIDA

O Lago Nyos é de aproximadamente uma milha quadrada na área de superfície e tem uma profundidade máxima de 690 pés. É o que é conhecido como "lago da cratera" - formado quando a cratera de um vulcão extinto há muito tempo se enche de água. Mas o vulcão foi realmente extinto? Talvez uma erupção tenha sido o culpado: talvez o vulcão sob o lago tivesse voltado à vida e, no processo, liberou gases venenosos suficientes para matar todos os seres vivos em uma área muito ampla.

A teoria era convincente, mas problemática: uma erupção capaz de liberar gás venenoso suficiente para matar tantas pessoas naquela área ampla teria sido muito violenta e acompanhada de muita atividade sísmica. Nenhuma das testemunhas mencionou terremotos, e quando os cientistas checaram com uma estação de gravação sísmica a 140 milhas de distância, não mostrou nenhuma evidência de atividade incomum na noite de 21 de agosto. Isto foi apoiado pelo fato de que mesmo nos mais atingidos aldeias, os bens ainda estavam empilhados nas prateleiras das casas onde todos os membros da casa foram mortos. E os cientistas notaram outra pista misteriosa: todas as lâmpadas de óleo dessas casas haviam sido apagadas, mesmo as que ainda estavam cheias de óleo.

TESTANDO AS ÁGUAS

Os cientistas começaram a testar amostras de água retiradas de várias profundidades no lago.O vermelho na superfície acabou por ser dissolvido em ferro - normalmente encontrado no fundo do lago, não no topo. De alguma forma, o sedimento no fundo havia sido agitado e o ferro trazido para a superfície, onde se transformou na cor da ferrugem depois de entrar em contato com o oxigênio.

Os cientistas também descobriram altos níveis incomuns de dióxido de carbono (CO2) dissolvido ou "em solução" na água. Amostras tão rasas quanto 50 pés de profundidade continham tanto CO2 que quando eram puxadas para a superfície, onde a pressão da água era mais baixa, o CO2 dissolvido borbulhava da solução - como se alguém tivesse desparafusado a tampa de uma garrafa de refrigerante .

CONTEÚDO SOBRE PRESSÃO

À medida que os cientistas coletaram amostras mais e mais profundas no Lago Nyos, os níveis já elevados de dióxido de carbono (CO2) aumentaram de maneira constante. Na profundidade de 600 pés, os níveis dispararam nas paradas. Além dessa profundidade, os níveis de CO2 eram tão altos que, quando os cientistas tentaram puxar as amostras para a superfície, os contêineres romperam com a pressão de todo o gás que saiu da solução. Os cientistas tiveram que mudar para recipientes pressurizados para coletar suas amostras e, quando o fizeram, ficaram atordoados ao descobrir que a água no fundo do lago continha cinco galões de CO2 dissolvido para cada galão de água.

Quando os cientistas juntaram as evidências, começaram a formar uma teoria que se concentrava na grande quantidade de CO2 no lago. O vulcão que formou o Lago Nyos pode ter sido extinto há muito tempo, mas a câmara de magma que o alimentava ainda estava ativa abaixo da superfície da Terra. E ainda estava liberando gás de dióxido de carbono - não apenas no lago Nyos, mas também no meio ambiente circundante. Na verdade, não é incomum nos Camarões encontrar sapos e outros pequenos animais sufocados em poças de CO2 que se formaram em pontos baixos ao longo do solo. (O CO2 é mais pesado que o ar e pode acumular-se em pontos baixos até que o vento o afaste.)

Mas o que era incomum sobre o Lago Nyos não era que houvesse CO2 no lago; isso acontece em lagos em todo o mundo. O que era incomum era que o CO2 aparentemente nunca havia saído - em vez de borbulhar na superfície e se dissipar no ar, o CO2 se acumulava no fundo do lago.

ALTOS E BAIXOS

Na maioria dos lagos, o CO2 escapa porque a água circula continuamente, graças a um processo conhecido como convecção: Chuva, frio, ou apenas vento soprando na superfície do lago podem fazer com que a camada mais alta da água esfrie, tornando-a mais densa e portanto, mais pesado que as camadas mais quentes abaixo. A água fria afunda até o fundo do lago, deslocando a água mais quente e rica em CO2, empurrando-a alto o suficiente para que o CO2 saia da solução, borbulhe até a superfície e escape para o ar.

AINDA CORREM ÁGUAS PROFUNDAS

Isso é o que geralmente acontece, mas a água no fundo do Lago Nyos estava tão saturada com CO2 que ficou claro que algo estava interferindo no processo de convecção. Como os cientistas logo descobriram, as águas do Lago Nyos estão entre as mais silenciosas do mundo: altas montanhas cercam o lago, bloqueando o vento e fazendo com que o lago seja incomumente consistente em temperatura da superfície até o fundo. E como o lago Nyos está em um clima tropical que permanece quente o ano todo, a temperatura da água também não varia muito de estação para estação. Por último, porque o lago é tão profundo, mesmo quando a superfície é perturbada, muito pouco da agitação encontra o caminho para o fundo do lago. A inusitada quietude do lago é o que a torna tão mortal.

CHEIO AO ESTOJO

Há um limite físico para a quantidade de CO2 que a água pode absorver, mesmo sob as tremendas pressões que existem no fundo de um lago de 690 pés de profundidade. À medida que as camadas inferiores ficam saturadas, o CO2 é empurrado para onde a pressão da água é menor. O CO2 acaba chegando a um nível em que a pressão é baixa o suficiente para começar a sair da solução. Nesse ponto, qualquer pequena perturbação - um deslizamento de terra, tempestades, ou mesmo ventos fortes ou apenas uma onda de frio - podem fazer com que o CO2 comece a borbulhar para a superfície. E quando as bolhas começam a subir, elas podem causar um efeito de sifão ou chaminé, desencadeando uma reação em cadeia que, em uma sublevação gigante, pode fazer com que o lago goteje CO2 acumulado no lago há décadas.

O CO2 é inodoro, incolor e não tóxico; seu corpo o produz e você exala algumas a cada vez que você respira. Até o ar que você inala consiste em aproximadamente 0,05% de CO2. O que o torna um assassino em certas circunstâncias é o fato de ser mais pesado que o ar: se o suficiente escapa para o ambiente de uma só vez, ele desloca o ar no chão. Uma mistura de apenas 10% de CO2 no ar pode ser fatal; até 5% podem sufocar uma chama ... o que explica por que as lâmpadas de óleo se apagaram.

SNUFFED OUT

Os cientistas imaginaram que, se a teoria estivesse correta, poderia haver outras ocorrências de erupções semelhantes no passado. Não demorou muito para encontrar um, e eles também não precisaram ir muito longe: dois anos antes, em 15 de agosto de 1984, ouviu-se um forte estrondo vindo do Lago Monoun, um lago com apenas 59 milhas sudeste do Lago Nyos. Nas horas que se seguiram, 37 pessoas morreram misteriosamente, incluindo um grupo de 17 pessoas que morreram enquanto caminhavam para o trabalho quando chegaram a um ponto baixo na estrada - apenas o lugar onde o CO2 teria se instalado após ser libertado do lago. O incidente foi pequeno o suficiente para não atrair muita atenção do mundo exterior ... até agora.

A GRANDE EXPLOSÃO

Nos meses seguintes ao desastre no Lago Nyos, os cientistas continuaram a monitorar os níveis de CO2 do lago.Quando os níveis começaram a aumentar novamente, eles concluíram que sua teoria estava correta.

Enquanto isso, eles também tinham uma estimativa de quanto CO2 havia escapado do lago em 22 de agosto - e ficaram chocados com o que encontraram. Relatos de testemunhas oculares de pessoas que estavam suficientemente altas nas colinas acima do lago para sobreviver à erupção descreveram como o lago começou a borbulhar estranhamente em 17 de agosto, fazendo com que uma nuvem enevoada se formasse acima da superfície da água. Então, sem aviso, no dia 22 de agosto, o lago explodiu de repente; a água e o gás dispararam algumas centenas de metros no ar. O CO2 ocupou tanto espaço no lago que, quando finalmente foi liberado, o nível da água caiu mais de um metro. Medindo a mudança em profundidade, os cientistas estimaram que o lago liberou 1,2 quilômetros cúbicos de CO2 - o suficiente para encher 10 estádios de futebol - em apenas 20 segundos. (Você tem idade suficiente para lembrar o enorme volume de cinzas que o Monte Saint Helens liberou quando entrou em erupção em 1980? Essa erupção liberou apenas 1/3 de um quilômetro cúbico de cinzas - um quarto da emissão do Lago Nyos).

NUVEM DO DOOM

Pastores de gado pastam seus animais nas colinas acima do Lago Nyos, e depois que o lago expeliu até 80% de seu enorme estoque de CO2 em uma grande explosão, o gado morto foi encontrado a 300 pés acima do lago, indicando que o sufocante nuvem atirou pelo menos tão alto antes de voltar à superfície. Então o gás foi derramado sobre a borda da cratera para os vales abaixo, viajando a uma velocidade estimada de 45 quilômetros por hora.

Para as pessoas que viviam nas aldeias mais próximas do lago, a morte era quase inevitável. Algumas pessoas nas encostas tinham a presença de espírito de subir a um lugar mais alto; Um homem que viu seus vizinhos caírem como moscas saltou em sua motocicleta e conseguiu se manter à frente do gás enquanto se dirigia em segurança. Estes foram os poucos sortudos. A maioria das pessoas não percebeu o perigo até que eles estavam sendo superados pelo gás. Mesmo se tivessem, teria sido impossível ultrapassar uma nuvem tão veloz.

A CURIOSIDADE MATOU O GATO

Nas aldeias mais afastadas do lago, as pessoas tinham uma melhor chance de sobrevivência, especialmente se ignorassem o barulho que o lago fazia ao liberar seu CO2. Alguns sobreviventes disseram que soou como um tiro ou uma explosão; outros descreveram isso como um estrondo. Mas as pessoas que saíam de casa para ver de onde vinha o barulho, ou para ver o que causara o cheiro de ovo podre (um cheiro comum de "alucinação" associada ao envenenamento por CO2) rapidamente desmoronaram e morreram em sua própria porta. A visão dessas primeiras vítimas desmaiando muitas vezes trouxe outros membros da casa para a porta, onde eles também foram vencidos ... e mortos.

As pessoas que estavam do lado de dentro com suas janelas e portas fechadas tinham uma chance melhor de sobreviver. Houve até mesmo casos em que CO2 suficiente penetrava nas casas para sufocar as pessoas que estavam dormindo, mas não o suficiente para matar as pessoas que estavam em pé e tinham suas cabeças acima do gás. Alguns desses sobreviventes nem perceberam que algo incomum havia acontecido até que eles checaram seus entes queridos e descobriram que estavam mortos.

UMA ORGANIZAÇÃO DE PREVENÇÃO

O desastre no Lago Nyos foi apenas o segundo incidente desse tipo na história registrada - o incidente de 1984 em Lake Monoun foi o primeiro. Até hoje, os cientistas acreditam que apenas três lagos no mundo inteiro, Nyos, Monoun e um terceiro lago chamado Lago Kivu, na fronteira do Congo e Ruanda, acumulam quantidades mortais de CO2 dissolvido em grandes profundidades.

Levou cerca de um ano para descobrir o que aconteceu em Nyos. Então, quando ficou claro que o lago estava se enchendo de CO2 novamente, o governo de Camarões evacuou todas as aldeias dentro de 18 milhas do lago e arrasou-as para evitar que seus habitantes voltassem até que o lago pudesse ser salvo.

Os cientistas passaram a década seguinte tentando descobrir uma maneira de liberar o gás com segurança antes que o desastre acontecesse novamente. Eles finalmente decidiram um plano para afundar um tubo de 5,5 cm de diâmetro por mais de 200 metros, bem acima do chão do lago. Então, quando parte da água do fundo era bombeada até o topo do tubo, ela subiria o suficiente no tubo para que o CO2 saísse da solução e formasse bolhas, o que faria com que ele disparasse para fora do topo do tubo. o tubo, explodindo água e gás a mais de 50 metros do céu. Uma vez iniciado, o efeito de sifão faria com que a reação continuasse indefinidamente, ou pelo menos até que o CO2 acabasse. Um protótipo foi instalado e testado em 1995, e depois que ele provou ser seguro, um tubo permanente foi instalado em 2001.

CORRIDA CONTRA O TEMPO

A partir do outono de 2006, o tubo ainda estava no lugar e liberando mais de 700 milhões de pés cúbicos de CO2 no ar a cada ano. Isso é um pouco mais do que entrar no lago no mesmo período de tempo. Entre 2001 e 2006, os níveis de CO2 no Lago Nyos caíram 13%.

Mas os cientistas que estudam o lago estão preocupados que 13% é uma quantidade muito pequena. O lago ainda contém mais CO2 do que o libertado no desastre de 1986 e, como se isso não bastasse, uma represa natural no lado norte do lago está se desgastando e pode falhar em apenas cinco anos. Se a represa entrar em colapso, o desastre de 1986 pode ser apenas uma pequena amostra do que está por vir: no caso de uma falha na barragem, 50 milhões de metros cúbicos de água poderiam ser despejados do lago, afogando até 10 mil pessoas. lava através dos vales abaixo.Isso é apenas o começo - liberar essa quantidade de água do lago faria com que o nível do lago caísse até 60 metros, removendo a pressão da água que mantém o CO2 no fundo do lago e causando uma liberação de gás ainda mais catastrófica. do que a devastação de 1986.

SOLUÇÃO

Cientistas e engenheiros elaboraram um plano para a sustentação da barragem natural com concreto, e acredita-se que a instalação de mais quatro tubos de sifão poderia reduzir o CO2 no lago a níveis seguros em menos de quatro anos. Os cientistas estão trabalhando duro para tentar encontrar o financiamento para isso, e não há tempo a perder: "Poderemos ter uma explosão de gás amanhã maior do que o desastre [do Lago Monoun ou do Lago Nyos]", diz Dr. George Kling, ecologista da Universidade de Michigan que estuda o lago há 20 anos. "Todos os dias que esperamos é apenas um acúmulo da probabilidade de que algo ruim aconteça."

Deixe O Seu Comentário