45 Médicos Médicos doentios Pensamentos Trabalharam

45 Médicos Médicos doentios Pensamentos Trabalharam

“A razão pela qual os médicos são tão perigosos é acreditar no que estão fazendo.” - Robert S. Mendelssohn.

Ao longo da história, houve avanços na ciência médica. À medida que novas técnicas e curas são descobertas, velhas idéias são substituídas e descartadas. Desde o uso de mercúrio para tratar praticamente qualquer coisa, até a lobotomia de pacientes com doenças mentais, as idéias que pensávamos serem consideradas agora são consideradas insanas e até perigosas. Abaixo estão 45 fatos malucos sobre verdadeiras práticas médicas que os médicos pensavam que funcionavam. no que eles estão fazendo. ”


45. Cut It Out!

Nos anos 1930, uma prática conhecida como lobotomia tornou-se popular como um tratamento para doenças mentais. O procedimento envolvia cortar ou raspar a maior parte das conexões de e para o córtex pré-frontal, a parte anterior dos lobos frontais do cérebro. O uso do procedimento aumentou no início da década de 1940 até a década de 1950. Em 1951, quase 20.000 cirurgias de lobotomia foram realizadas apenas nos Estados Unidos, a maioria das quais foram realizadas em mulheres. Embora o procedimento tenha sido observado para reduzir alguns sintomas de transtorno mental em alguns casos, a paciência herdou outros efeitos colaterais graves e quase comuns (quase universais). Imediatamente após a cirurgia, os pacientes muitas vezes experimentaram confusão e incontinência. A lobotomia também resultou em comprometimento mental permanente, cognição reduzida e uma regressão a uma “personalidade infantil”. A taxa de mortalidade do procedimento foi tão alta quanto cinco por cento, e uma alta proporção de pacientes mais tarde cometeu suicídio. Felizmente, após a introdução de medicamentos antipsicóticos em meados da década de 1950, as lobotomias foram abandonadas de forma rápida e quase completa.

44. Fumar é bom para você!

Antes que os perigos do tabagismo fossem compreendidos, muitos anúncios estimulavam os benefícios do fumo para a saúde. Alguns anúncios incluíam até endossos de médicos que proclamavam que seus pacientes se beneficiavam de fumar uma marca específica. Durante o final do século XIX e início do século XX, a inalação de vapores do tabaco foi um tratamento sugerido para a asma.

43. Bzzzt

O primeiro uso de tratamentos de eletrochoque foi na década de 1940 como uma alternativa para lobotomizar pacientes mentais. O suicídio de pacientes de ECT de alto perfil, como Ernest Hemingway, juntamente com um retrato negativo em filme e ficção, deu má fama ao tratamento, mas ainda é usado como tratamento para depressão, mania e catatonia - geralmente quando os pacientes não respondem outras formas de tratamento

42. Um enema de metal

Na Idade Média, um tratamento popular para problemas intestinais era um dispositivo chamado de clister: um longo tubo de metal com uma xícara no final. O tubo seria inserido no ânus. O fluido medicinal derramado no copo seria então bombeado para o cólon. Fluidos poderiam ter incluído qualquer coisa, incluindo sal, bicarbonato de sódio, sabão, café, mel ou mesmo bílis de javali. Diz-se que o rei Luís XIV da França teve o tratamento 2.000 vezes durante o seu reinado.

Anúncio

40. Glow-in-the-Dark

A descoberta do rádio levou a muitos medicamentos “charlatães”, e os anunciantes alegaram que adicioná-lo à água potável em casa poderia curar várias doenças. Não foi até que os trabalhadores que faziam o rádio começaram a morrer, que os perigos do rádio se realizaram.

Toque de rádio.

39. Um Excesso de Sangue

Os médicos medievais acreditavam nos quatro “humores”, os fluidos mais importantes do corpo, que eram sangue, bílis amarela, bílis negra e fleuma. Se um paciente tivesse um excesso ou deficiência de qualquer um dos quatro, sua saúde seria fortemente influenciada. Especificamente, muitos médicos pensavam que os pacientes simplesmente tinham muito sangue, e a única maneira de tratá-lo era drená-lo através de sanguessugas ou cortar a área causando dor. As sanguessugas ainda são usadas em alguns procedimentos médicos hoje, assim como a prática similar de escavação. sanguessugas ainda são muitas vezes a melhor opção para remover com segurança o sangue congestionado de uma ferida.

38. Escrito nas Estrelas

Na era medieval, a medicina era muitas vezes baseada em grande parte na superstição, e os astrólogos médicos eram reverenciados. Nos anos de 1500, a lei exigia que os médicos europeus avaliassem o horóscopo de um paciente antes do tratamento. Seus mapas de estrelas, combinados com a posição das estrelas, previam e tratavam a doença. Da próxima vez que você estiver doente, verifique seu horóscopo?

37. Sacrifício de ovelhas Na Mesopotâmia (atual Iraque), os médicos faziam julgamentos examinando os fígados de ovelhas sacrificadas. O fígado foi pensado para ser a fonte de sangue humano e, portanto, a fonte da vida. Modelos de argila de fígados de carneiro remontam a 2050 a.C.

36. Elixir do milagre

Nos séculos XVIII e XIX, as poções medicinais eram populares como uma cura para tudo, desde a gripe até uma dor de estômago. A maioria deles era feita de nada mais que água açucarada, ervas inúteis e extratos de drogas pesadas. Era comum esses remédios conterem cocaína, morfina, heroína ou álcool. Em 1906, a Lei de Alimentos e Medicamentos Puros terminou com grande parte do negócio de medicamentos patenteados.

35. Isso é desconfortável

Acreditava-se que o monge irlandês St. Fiacre protegesse as pessoas de doenças como hemorróidas. Se uma pessoa escolhesse não rezar para ele e descesse com eles, eles seriam mandados para os monges que colocariam um pôquer em brasa em suas costas. Alternativamente, eles poderiam sentar-se na famosa rocha de St. Fiacre, onde dizem que ele foi milagrosamente curado de suas próprias hemorróidas. Tratamentos posteriores, como sentar em um banho quente, felizmente substituíram o poker e a rocha.

Anúncio

34. Acabou de cortar a língua

A hemiglossectomia (procedimento que remove parte da língua) foi usada pelos médicos nos séculos XVIII e XIX como uma cura para a gagueira. O tratamento não só provou ser completamente ineficaz, mas também causou sangramento terrível, e os pacientes muitas vezes sangraram até a morte. Hoje, o procedimento é usado como tratamento para o câncer bucal, muitas vezes realizado sob anestesia geral com o uso de agentes coagulantes.

33. Chicken Rub

Nos anos 1300, um médico inglês chamado Thomas Vicary inventou um tratamento para a peste negra chamado “The Vicary Method”. A prática envolvia cortar a coronha de uma galinha e amarrar a parte traseira do pássaro vivo à linfa inchada do paciente. nós. Acreditava-se que a bunda do pássaro sugava o veneno. Cada vez que a ave ficava doente, era removida, limpa e depois recolocada. Esse processo seria repetido até que a saúde do paciente melhorasse, ou até que a ave, ou mais provavelmente o paciente, morresse.

32. Vibradores Médicos

No final do século XIX, instrumentos médicos eletromecânicos foram usados ​​para levar pacientes do sexo feminino ao orgasmo como um tratamento para a histeria, o que causou ganho de peso, problemas para dormir e nervosismo. Anúncios para os vibradores primitivos podem ser vistos no catálogo da Sears, Roebuck and Company.

31. Os médicos originais do Botox

do século 19 costumavam usar injeções de cera de parafina (a mesma cera usada em velas) para suavizar as rugas e aumentar os seios. Infelizmente para os pacientes, à medida que a cera endurecia, ela se transformava em grumos dolorosos chamados parafinomas. Uma vez que esses efeitos se tornaram amplamente conhecidos, os tratamentos terminaram.

30. Vida Eterna e Vitalidade

Mercúrio já foi um tratamento médico popular. Os antigos persas e gregos usavam-no como um unguento, e os alquimistas chineses acreditavam que isso poderia aumentar a expectativa de vida e a vitalidade. Alguns curandeiros chegaram a pensar que, consumindo mercúrio, arsênico e enxofre, a pessoa poderia ganhar a vida eterna e ser capaz de andar sobre a água. Mais tarde, foi usado para tratar doenças sexualmente transmissíveis, como a sífilis. Isso não apenas não funcionou, mas o mercúrio é extremamente venenoso. Os sintomas do envenenamento por mercúrio incluem fraqueza muscular, falta de coordenação, dormência nas mãos e pés, erupções cutâneas, ansiedade, problemas de memória, inteligência prejudicada, dificuldade para falar, problemas auditivos, problemas de visão e até morte em altos níveis de exposição.29. Crocodilo Contraceptivo

No antigo Egito, o esterco de crocodilo era o contraceptivo de escolha. As mulheres inseriam esterco de crocodilo seco em suas vaginas, e a ideia era que, à medida que chegasse à temperatura do corpo, ele amaciaria e formaria uma barreira impenetrável. Seiva de árvore, metades de limão, algodão e esponjas do mar também foram usados.Anúncio

28. Pão Mofado

Datado do antigo Egito, pão mofado era usado para desinfetar cortes. Vários séculos depois, Louis Pasteur descobriu que certos tipos de fungos podem bloquear o crescimento de bactérias causadoras de doenças, e isso levou à descoberta da penicilina.

27. Uma dose de vitamina D

Um tratamento precoce para tuberculose envolveu ficar em pé ao redor de uma lâmpada forte ou fonte de luz. A crença era de que a luz simularia o sol e aumentaria a vitamina D, que combateria a infecção. A terapia da luz é um tratamento comum hoje em dia para doenças como depressão, desordens da pele e Transtorno Afetivo Sazonal, mas as vacinas tornaram a helioterapia para TB obsoleta.

26.Strange Brew

Angelo Mariani, químico italiano do século 19, criou uma bebida que ele chamou de Vin Mariani. O tônico era “vinho curativo” tratado com folhas de coca. Tornou-se um favorito popular, e os anúncios afirmaram que a bebida foi endossada por 8000 médicos e era ideal para todos os tipos de homens, mulheres e até mesmo crianças. Figuras famosas como Thomas Edison, a Rainha Vitória e até mesmo o Czar da Rússia o usaram, e até inspirou John S. Pemberton a desenvolver a Coca-Cola.

25. Vou comer alguns vermes

Um método de perda de peso do início do século XX foi a dieta da tênia. O paciente ingeria vermes na esperança de que comesse um pouco do que eles comiam. Muitos pacientes apresentaram desnutrição, náusea, vômito e até a morte.

24. Medicina Corpse

Há muito tempo, os médicos podem prescrever uma poção contendo carne, sangue ou osso humano. Os antigos romanos acreditavam que o sangue dos gladiadores perdidos poderia curar a epilepsia, e os boticários do século 12 mantinham um estoque de "pó de múmia", um extrato feito de múmias que foram roubadas do Egito. Estes medicamentos foram pensados ​​para ter propriedades mágicas que poderiam curar vários tipos de doenças.

23. Casar com Filhos de Jovens e Ursos

Antigos médicos gregos pensavam que o útero de uma mulher era uma criatura separada com uma mente própria. Se uma mulher permanecesse celibatária por muito tempo, ela poderia se desalojar e vagar ao redor de seu corpo, causando asfixia e convulsões. Para evitar que seus úteros "vagassem", as mulheres eram orientadas a casar-se jovens e ter o maior número de filhos possível. Se o útero já tivesse se libertado, eles foram tratados com banhos terapêuticos, infusões e massagens para forçá-lo a voltar ao lugar.

Anúncio

22. Magia Simpática

No século XVII, o “Pó de Simpatia” de Sir Kenelm Digby foi usado como tratamento para feridas de pinça (espada). Era feito de minhocas, cérebros de porcos, ferrugem e pedaços de cadáveres mumificados em pó. A estranha mistura supostamente deveria convencer a ferida a curar a si mesma em um processo chamado “magia simpática”.

21. A primeira droga knock-out

Antes da anestesia se tornar comum, um meio popular de nocautear pacientes era com “Dwale.” A mistura era um anestésico herbário composto de sete ingredientes: alface, vinagre, cicuta, ópio, henbane, raiz de bryony e bile. Se misturado incorretamente, o paciente pode morrer, tornando o nocaute tão perigoso quanto a cirurgia. No entanto, o dwale era popular entre os séculos XII e XV e é referenciado em Hamlet.

20. Combate Fogo com Fogo!

Um tratamento precoce para a sífilis estava infectando intencionalmente pessoas com malária. Os médicos acreditavam que a febre da malária mataria a sífilis e a malária seria eliminada por um tratamento diferente. A malária definitivamente matou alguma coisa, mas geralmente era o paciente, não a doença.

19. Um Tipo Especial de Vitamina

O médico de Hitler costumava combinar suas injeções de vitamina com metanfetamina (metanfetamina), e essas injeções costumavam mantê-lo “fresco, ativo, alegre, falante e imediatamente pronto para o dia”. Alguns historiadores agora Acredito que o vício de Hitler por metanfetamina possa ter sido uma das razões de suas rígidas táticas na parte final da Segunda Guerra Mundial.

18. Dê-me, Necro-Baby

Os antigos babilônios acreditavam que a maioria das doenças era resultado de forças demoníacas ou punição dos deuses por crimes. Os médicos recomendariam dormir por um crânio humano por uma semana para exorcizar o espírito. Para se certificar de que funcionou, eles também foram instruídos a beijar e lamber o crânio sete vezes a cada noite.

17. Jaws Pills

Na década de 1950, as teorias sobre os poderes de cura das pílulas de cartilagem de tubarão corriam soltas, e elas foram usadas até mesmo como um tratamento alternativo para o câncer. Estudos recentes não encontraram evidências de que tenham algum efeito sobre a saúde, mas muitos tubarões foram mortos em nome da medicina.

16. Inofensivo A menos que seja ingerido

DDT - um poderoso pesticida sintético foi realmente usado como um tratamento eficaz para piolhos. Foi pulverizado diretamente nas pessoas, roupas e, às vezes, nas cidades.

15. Apenas um pequeno buraco

Trepanning era a prática de perfurar um pequeno buraco no crânio para expor a membrana externa do cérebro. Acreditava-se que curasse epilepsia, enxaquecas e distúrbios mentais, aliviando a pressão. Também foi um tratamento comum para fraturas cranianas e golpes físicos na cabeça em combate. Devido aos ambientes não-esterilizados aos quais o cérebro estava exposto, geralmente era fatal. A prática de perfurar a cabeça para aliviar a pressão ainda é usada, mas com melhores ferramentas e condições do que durante a Idade Média.

14. Blast the Zits Away

Na década de 1960, os médicos experimentaram o uso da radiação como tratamento para acne grave. Outros experimentos incluíram irradiar as cabeças das crianças, alimentar material radioativo para crianças com deficiência mental e expor soldados e prisioneiros americanos a altos níveis de radiação.

13. Suspensão e órtese

Dr. Lewis Albert Skye foi um cirurgião ortopédico do século 19 que introduziu o método de suspensão do paciente como tratamento para a escoliose (uma curva lateral da espinha dorsal). Ele acreditava que a suspensão iria corrigir as distorções, mas as críticas pesadas do tratamento levaram à sua morte.

12. O que está no seu rosto?

Um tratamento para os Veteranos da Primeira Guerra Mundial envolveu ter parte de sua pele costurada em um tubo e temporariamente colocada em seus narizes como um tratamento reconstrutivo. Por mais louco que parecesse, o procedimento levou ao que hoje é conhecido como enxerto de pele.

11. Cocô

Ainda no século XIX, o lixo animal era usado para curar vários ferimentos e doenças. Um remédio vitoriano para curar uma dor de garganta incluía esterco de cachorro seco, e os antigos egípcios usavam burro, vaca, cachorro, gazela ou esterco de mosca para vários propósitos. Às vezes, as bactérias no esterco curavam o paciente e, às vezes, levavam ao tétano.

10. A cura do rato morto

Datado do antigo Egito, camundongos mortos eram usados ​​para fins medicinais. Originalmente, eles foram misturados com outros compostos para aliviar a dor de dente. No tempo de Elizabeth I, eles cortavam um rato ao meio e aplicavam-no às suas manchas para curar as verrugas. Eles também eram usados ​​para tratar coqueluche, sarampo, catapora e urinar na cama.

9. Tome um cheiro

Alguns médicos nos anos 1600 encorajaram seus pacientes a peidar em frascos como um tratamento para a exposição à peste bubônica. Acreditava-se que a peste fosse um vapor mortal espalhado pela respiração na atmosfera, e os médicos pensavam que, se o paciente pudesse diluir o ar respirando algo igualmente potente, poderia reduzir as chances de contrair a doença.

8. Cortando Dentes

Na França do século 16, quando um bebê começou a dentição, os médicos cortavam o tecido sobre os dentes com um bisturi para deixar os dentes passarem. A falta de ferramentas estéreis e o trauma infligido a crianças pequenas muitas vezes resultaram em morte.

7. Comendo Argila

Era prática comum na Grécia antiga comer um tipo particular de argila que foi encontrado na ilha Lemnos chamada terra sigillata. Discos de argila foram importados para o tratamento de problemas estomacais e diarréia. Enquanto a maioria das pessoas não consome mais argila, o caulim e a bentonita são dois elementos encontrados na argila que são usados ​​na medicina moderna.

6. Xixi

A urina humana foi usada ou uma variedade de propósitos nos tempos antigos. Dizem que os antigos romanos branquearam os dentes com ela, o que na verdade funcionou porque a amônia é um agente de branqueamento. Gostoso. A urina também foi usada para tratar feridas da morte negra. Por mais maluco que pareça, pode haver alguma base científica para esse tratamento, já que a urina é estéril quando deixa o corpo, e pode ter sido uma alternativa mais saudável à água na época.

5. A cura virgem No início do século XVI, homens ricos e poderosos acreditavam que poderiam curar doenças sexualmente transmissíveis fazendo sexo com virgens. Infelizmente, a prática continua em algumas partes do mundo em desenvolvimento, resultando em crimes sexuais e a disseminação de DSTs nessas regiões.

4. Tilt-a-Whirl

A cadeira giratória foi usada no século XIX para tratar a esquizofrenia. A cadeira foi modificada com um sistema de mola e alavanca que girava os pacientes até que desmaiassem. Acreditava-se que a fiação curasse doenças mentais ao embaralhar o conteúdo do cérebro.

3. Um Tratamento Real

Uma cura comestível para a peste negra era engolir uma colher de pó esmeralda esmagado. Os reis pediram a seus trabalhadores que deixassem as pedras em pó e misturassem com água. Eles também poderiam ser misturados com pão ou outros alimentos e comidos. Isso era basicamente como engolir cacos de vidro, e os pacientes arriscavam lacerações na garganta e enfrentavam riscos de hemorragia interna.

2. Goat Nads

Apesar de não ter qualificações médicas, no início de 1900, o Dr. John Brinkely tornou-se um dos médicos mais ricos da América por suas alegações de que ele poderia curar a impotência e outros problemas sexuais usando testículos de cabra para remediar as doenças. Ele implantaria testículos de cabra no escroto de um homem. Não houve mérito científico para o procedimento, e muitos pacientes morreram

1. Remédio Aditivo para a Tosse A heroína já foi considerada menos viciante que a morfina, e era vista como uma cura milagrosa para a tuberculose. A empresa farmacêutica Bayer também comercializou o produto como um xarope para tosse, que foi comercializado como seguro para crianças na década de 1890. De fato, havia até uma campanha publicada em jornais espanhóis que visava crianças. Quando os hospitais começaram a ficar lotados de pacientes que agora estavam viciados em heroína, a Bayer decidiu parar de fazer isso.

Deixe O Seu Comentário